Aranha de jardim

Aranha de jardim

Esta animação mostra a anatomia das aranhas através do exemplo de uma espécie comum europeia.

Biologia

Palavras-chave

aranha-de-diadema, aranha, aranhas, aracnídeos, teia da aranha, seda de aranha, artrópode, artrópodes, aracnídeo, quelícera, glândula de veneno, cefalotórax, abdómen, glândula de sericígena, fieira das aranhas, presas, picada de aranha, animal, predador, biologia

Extras relacionados

Cenas

Aranha de jardim

A aranha de jardim pode ser encontrada na Europa e algumas partes da América do Norte. É também conhecida como aranha cruzada, devido às marcas existentes no seu dorso, que formam uma cruz. Vive em arbustos, árvores e jardins. Normalmente fica no centro da sua teia à espera que as suas presas fiquem emaranhadas. Pode atingir os 1,5 cm de comprimento e, por vezes, podem atingir os 2 cm. O macho é mais pequeno do que a fêmea.

A aranha tece uma teia para apanhar moscas, mosquitos e outros insetos. Para o fazer, usa glândulas sericígenas, localizadas no opistossoma, para excretar uma substância muito forte composta por proteínas, chamada seda de aranha, cuja força de tensão é cinco vezes maior do que a do aço.

Anatomia

  • olhos simples - A maioria das aranhas tem 8 olhos simples. Os dois olhos do meio são capazes de formar imagens e detetar cores, enquanto os olhos laterais desempenham um papel importante na deteção de movimento.
  • quelíceras - As quelíceras são usadas ​​para capturar a presa, estando a elas ligadas glândulas de veneno. As aranhas bombeiam enzimas digestivas do intestino médio para a presa e de seguida sugam os tecidos liquefeitos. Isto é chamado de digestão externa.
  • pernas - Os aracnídeos têm quatro pares de pernas segmentadas.
  • prossoma - É formado pela fusão da cabeça e do tórax.
  • opistossoma
  • pedipalpo - Evoluíram a partir das pernas. São órgãos sensoriais mecânicos e químicos.

O corpo da aranha de jardim está dividido em prossoma e opistossoma. O prossoma é formado pela fusão da cabeça e tórax e, característica dos aracnídeos, apresenta 4 pares de pernas funcionais. A aranha possui 8 olhos simples localizados na parte anterior do prossoma. O prossoma consiste também dos pedipalpos e das quelíceras. Estas são usadas para capturar as presas e têm glândulas de veneno.

Órgãos internos

  • gânglio cerebral
  • estômago bombeante - As aranhas bombeiam enzimas digestivas do intestino médio para a presa e de seguida sugam os tecidos liquefeitos. Isto é chamado de digestão externa.
  • artéria
  • coração - Aranhas (como outros artrópodes) têm um sistema circulatório aberto. A hemolinfa enche o coração, os vasos linfáticos e as cavidades do corpo, transportando nutrientes, resíduos e gases respiratórios.
  • recetáculo seminal - Após o acasalamento, é aqui que a fêmea armazena o esperma, que é utilizado na fertilização.
  • glândulas sericígenas - Glândulas que excretam uma proteína líquida conhecida como seda de aranha. A seda é muito forte, com uma força de tensão maior do que a do aço. A seda de aranha é usada pela aranha para capturar as suas presas.
  • ovário
  • pulmão folhoso
  • intestino médio
  • glândula de veneno - Segregam um veneno líquido que é usado pela aranha para matar a sua presa.
  • sistema nervoso - Tal como todos os outros artrópodes, as aranhas possuem um sistema nervoso central que consiste de gânglios.
  • faringe - Devido ao seu sistema nervoso central bem desenvolvido, a faringe das aranhas é restringida e quase bloqueada, pelo que as aranhas só se podem alimentar sugando líquidos. Por este motivo precisam de realizar digestão externa.
  • glândula digestiva

As aranhas de jardim (tal como outros artrópodes) possuem um sistema circulatório aberto. A hemolinfa enche o coração, os vasos linfáticos e as cavidades corporais, transportando nutrientes, resíduos e gases da respiração. Os túbulos de Malpighi formam o sistema excretor dos aracnídeos (e insetos). Os túbulos filtram a hemolinfa, enchendo as cavidades do corpo e libertando o filtrado para o intestino. Os nutrientes (água, açúcar, etc.) são aí absorvidos e retornam à hemolinfa; as toxinas e os resíduos são excretados.

Tal como todos os artrópodes, as aranhas possuem um sistema nervoso central que consiste de gânglios. Devido ao seu sistema nervoso central bem desenvolvido, a faringe das aranhas é restringida e quase bloqueada, pelo que as aranhas só se podem alimentar sugando líquidos. Por este motivo precisam de realizar digestão externa.

As fêmeas põem ovos no final do outono, procurando zonas protegidas para o fazer. Cobrem os ovos com seda de aranha, formando sacos de ovos, e depois morrem. As aranhas bebés eclodem no início de maio. Diferem dos seus progenitores apenas em termos de tamanho e desenvolvem-se rapidamente, sem metamorfose. Durante o processo mudam de exosqueleto várias vezes. Apenas no segundo ano da sua vida atingem a maturidade sexual.

Quelíceras

  • segmento basal - Podem ser abertos um em relação ao outro.
  • presas
  • glândula de veneno

Logo que a presa fica emaranhada na teia, a aranha corre na sua direção, embrulha-a e usa as suas quelíceras para injetar na presa tanto o veneno, segregado pelas glândulas de veneno, como enzimas digestivas. Por conseguinte, a aranha digere e liquefaz os tecidos da sua presa e depois suga o líquido usando o seu estômago bombeante.

Animação

  • olhos simples - A maioria das aranhas tem 8 olhos simples. Os dois olhos do meio são capazes de formar imagens e detetar cores, enquanto os olhos laterais desempenham um papel importante na deteção de movimento.
  • quelíceras - As quelíceras são usadas ​​para capturar a presa, estando a elas ligadas glândulas de veneno. As aranhas bombeiam enzimas digestivas do intestino médio para a presa e de seguida sugam os tecidos liquefeitos. Isto é chamado de digestão externa.
  • pernas - Os aracnídeos têm quatro pares de pernas segmentadas.
  • prossoma - É formado pela fusão da cabeça e do tórax.
  • opistossoma
  • pedipalpo - Evoluíram a partir das pernas. São órgãos sensoriais mecânicos e químicos.
  • glândulas sericígenas - Glândulas que excretam uma proteína líquida conhecida como seda de aranha. A seda é muito forte, com uma força de tensão maior do que a do aço. A seda de aranha é usada pela aranha para capturar as suas presas.

Narração

A aranha de jardim pode ser encontrada na Europa e algumas partes da América do Norte. É também conhecida como aranha cruzada, devido às marcas existentes no seu dorso, que formam uma cruz. Vive em arbustos, árvores e jardins. Normalmente fica no centro da sua teia à espera que as suas presas fiquem emaranhadas. Pode atingir os 1,5 cm de comprimento, podendo por vezes atingir os 2 cm. O macho é mais pequeno do que a fêmea.

O corpo da aranha de jardim está dividido em prossoma e opistossoma. O prossoma é formado pela fusão da cabeça e tórax e, característica dos aracnídeos, apresenta 4 pares de pernas funcionais. A aranha possui 8 olhos simples localizados na parte anterior do prossoma. O prossoma consiste também dos pedipalpos e das quelíceras. Estas são usadas para capturar as presas e têm glândulas de veneno.

A aranha tece uma teia para apanhar moscas, mosquitos e outros insetos. Para o fazer, usa glândulas sericígenas, localizadas no opistossoma, para excretar uma substância muito forte composta por proteínas, chamada seda de aranha, cuja força de tensão é cinco vezes maior do que a do aço.

Logo que a presa fica emaranhada na teia, a aranha corre na sua direção, embrulha-a e usa as suas quelíceras para injetar na presa tanto o veneno, excretado pelas glândulas de veneno, como enzimas digestivas. Por conseguinte, a aranha digere e liquefaz os tecidos da sua presa e depois suga o líquido usando o seu estômago bombeante.

Extras relacionados

Seda de aranha, teia de aranha

Se bem que a densidade da seda de aranha seja inferior à dos filamentos de nylon, a sua resistência à tracção é superior à do aço.

Tarântula de joelhos vermelhos mexicana

Uma das mais conhecidas espécies de aranhas, muitas vezes mantidas como animais de estimação. A sua mordedura não é fatal para o ser humano.

Abelha

As abelhas produzem o mel, uma substância doce e nutritiva.

Aranha-violino

A mordedura venenosa da aranha-marron representa um grande perigo para a saúde humana.

Besouro (Melolonta)

O besouro (ou melolonta) é um inseto bastante comum na Europa, cujas larvas são consideradas uma praga.

Borboleta branca da couve

A borboleta branca da couve é uma espécie de borboleta comum através da qual ilustramos a anatomia das borboletas.

Caracol-romano

Espécie de caracol muito comum, popular como alimento.

Efemérida de cauda longa

As larvas das efeméridas passam os primeiros três anos da sua vida na água. A fase adulta dura apenas dois dias e o seu único objetivo é o acasalamento.

Escolopendra

Esta cena 3D apresenta uma espécie de centopeia, distribuída pela região do Mediterrâneo.

Escorpião de cauda grossa

O androctonus australis é um dos escorpiões mais perigosos do mundo.

Formiga-vermelha

Numa colónia de formigas encontramos a rainha, os machos e as obreiras.

Lagostim de água doce

Tipo de lagostim de grandes dimensões que vive em água doce, na Europa.

Ouriço de peito branco do norte

O ouriço de peito branco do norte enrola-se numa bola, utilizando os seus espinhos para defender-se.

Tardígrado

Os tardígrados conseguem sobreviver em ambientes extremos e até mesmo no espaço.

Trilobites

Estes antepassados dos aracnídeos e dos crustáceos pertenciam à classe dos trilobites.

Vaca-loura

Através do exemplo da vaca-loura mostraremos as funções dos músculos dos insetos, a técnica de voo e como se reproduzem.

Esponja

São o mais antigo grupo de animais. Vivem debaixo de água e não possuem verdadeiros tecidos ou simetria de corpo.

Medusa

Animais marinhos pertencentes ao filo dos cnidários, que é o mais antigo grupo de animais com tecidos verdadeiros.

Minhoca comum

A anatomia dos anelídeos é mostrada através do exemplo da minhoca comum.

Planaria gonocephala

É o tipo mais comum de vermes achatados.

Added to your cart.